UM ARTISTA PRECISA ESTAR SEMPRE PRONTO PARA RENOVAR SUA LINGUAGEM

Atualmente Jiddu Saldanha oferece oficinas de: Artes da Mímica e Teatro Físico, Contação de História, Direção Teatral, trabalhos com Cinema Digital além de shows, performances e espetáculos. CONSULTE-NOS www.jiddusaldanha.com.br

OBRIGADO POR ME PRESTIGIAR!

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Mosquera, Colômbia, IV Festival Internacional de Teatro.

IV Festival Internacional de Teatro da cidade de Mosquera - Colômbia - de 26 de agosto a 02 de setembro!
Feliz por viver mais este momento, desta vez, pleno e realizando diversos sonhos ao mesmo tempo. Comemoração das 50 mil visitas no blog Mimica Maravilhosa, que faz da mímica um sonho de encanto e amor, com muita arte, energia e coração verdadeiro. 
A retomada, em 2017 da temporada com o espetáculo "Por Detrás do Silêncio", em cartaz desde 1992, portanto, completando 26 anos de estrada. 
Outra grande alegria é o convite para representar o Brasil no IV Festival Internacional de Teatro de Mosquera, Colômbia; aliás, um país que sempre quis conhecer, só não imaginava que seria de forma tão sublime. Adentrar as terras do grande mestre da literatura, Gabriel García Marquez, na condição de artista, podendo desfrutar de uma agenda de trabalho.
Outro grande presente, inestimável, é poder estar com a poderosa atriz Karol Schtitini, a quem tive o prazer de dirigir num solo, com o qual ela circula desde 2012. "Residência no Redemoinho" traz a marca de uma das mais fortes atrizes de seu tempo. Karol, tem uma carreira sólida e não são poucos os lugares por onde ela já andou com este magnífico espetáculo, cheio de energia, e muito amor, plantado ao longo do caminho. Mais do que isso, seu trabalho é da mais fina competência, o que por si só, já compensa 

Reencontro com Karol Shcittini na Colômbia - 2017
Jiddu Saldanha - Mímico e Blogueiro

domingo, 20 de agosto de 2017

O Ator - Segundo Plínio Marcos!

Em comemoração ao dia do ator, 19.08, publico aqui, um texto do dramaturgo e ator brasileiro Plínio Marcos, a quem aproveito para recomendar a visita a seu site, hoje, mantido pelos seus filhos. www.pliniomarcos.com
Plínio Marcos nasceu em 1935 e faleceu em 1999, deixou uma obra incrível e muitos seguidores. Foi e continua sendo um dos grandes mestres da dramaturgia brasileira. Seu legado, para quem ama o teatro, é incomensurável!

Plínio Marcos, dramaturgo brasileiro - 1935 + 1999

O Ator

(Por Plinio Marcos - 1986)

Por mais que as cruentas e inglórias batalhas do cotidiano tornem um homem duro ou cínico o bastante para fazê-lo indiferente às desgraças e alegrias coletivas, sempre haverá no seu coração, por minúsculo que seja, um recanto suave no qual ele guarda ecos dos sons de algum momento de amor que viveu em sua vida.

Bendito seja quem souber dirigir-se a esse homem que se deixou endurecer, de forma a atingi-lo no pequeno núcleo macio de sua sensibilidade, e por aí despertá-lo, tirá-lo da apatia, essa grotesca forma de autodestruição a que, por desencanto ou medo, se sujeita, e por aí inquietá-lo e comovê-lo para as lutas comuns da libertação.

Os atores têm esse dom. Eles têm o talento de atingir as pessoas nos pontos nos quais não existem defesas. Os atores, eles, e não os diretores e os autores, têm esse dom. Por isso o artista do teatro é o ator. 

O público vai ao teatro por causa dos atores. O autor de teatro é bom na medida em que escreve peças que dão margem a grandes interpretações dos atores. Mas, o ator tem que se conscientizar de que é um cristo da humanidade e que seu talento é muito mais uma condenação do que uma dádiva. O ator tem que saber que, para ser um ator de verdade, vai ter que fazer mil e uma renúncias, mil e um sacrifícios. É preciso que o ator tenha muita coragem, muita humildade, e sobretudo um transbordamento de amor fraterno para abdicar da própria personalidade em favor da personalidade de seus personagens, com a única finalidade de fazer a sociedade entender que o ser humano não tem instintos e sensibilidade padronizados, como os hipócritas com seus códigos de ética pretendem.

Eu amo os atores nas suas alucinantes variações de humor, nas suas crises de euforia ou depressão. Amo o ator no desespero de sua insegurança, quando ele, como viajor solitário, sem a bússola da fé ou da ideologia, é obrigado a vagar pelos labirintos de sua mente, procurando no seu mais secreto íntimo afinidades com as distorções de caráter que seu personagem tem. E amo muito mais o ator quando, depois de tantos martírios, surge no palco com segurança, emprestando seu corpo, sua voz, sua alma, sua sensibilidade para expor sem nenhuma reserva toda a fragilidade do ser humano reprimido, violentado. Eu amo o ator que se empresta inteiro para expor para a platéia os aleijões da alma humana, com a única finalidade de que seu público se compreenda, se fortaleça e caminhe no rumo de um mundo melhor, que tem que ser construído pela harmonia e pelo amor. Eu amo os atores que sabem que a única recompensa que podem ter – não é o dinheiro, não são os aplausos - é a esperança de poder rir todos os risos e chorar todos os prantos. Eu amo os atores que sabem que no palco cada palavra e cada gesto são efêmeros e que nada registra nem documenta sua grandeza. Amo os atores e por eles amo o teatro e sei que é por eles que o teatro é eterno e que jamais será superado por qualquer arte que tenha que se valer da técnica mecânica.                         

(Plínio Marcos - 1986)

sábado, 12 de agosto de 2017

Por Detrás do Silêncio, hoje, no USINA4, pelo Circuito Trigal de Artes.

Para quem não sabe, TRIBAL significa Associação Tributo à Arte e À Liberdade.

Hoje começa o Circuito TRIBAL de Artes e, quem vai inaugurar, será o espetáculo "Por Detrás do Silêncio", de Jiddu Saldanha e Álvaro Assad.  Pantomimas clássicas e contemporâneas interpretadas por Jiddu, mostrando um pouco da hoje, raríssima, pantomima teatral. Nos últimos 30 anos, os mímicos da geração 80 e 90, são os poucos que ainda preservam a pantomima em seus repertórios. Uma geração que veio no rastro de mestres como Ricardo Bandeira, Luis de Lima, Vicentini Gomes e Lina do Carmo e a referência mundial, o inesquecível do mestre francês, Marcel Marceau.
Com uma agenda de diversos artistas associados, que farão apresentações para ajudar a tirar a associação de sua crise financeira. Perto de completar 14 anos de existência, a TRIBAL construiu seu legado, junto aos artistas da cidade, oferecendo suporte técnico, produzindo reflexão crítica e apoiando produções locais. Tornou-se onipresente em festivais locais, cedendo seus equipamentos e reforçando a necessidade de construir um caminho de profissionalismo e autonomia para os artistas.
Chegar até aqui, entretanto, não foi tarefa fácil. A associação discute coletivamente todas as suas ações e, enquanto não chega a um acordo coletivo, os projetos não saem do papel. Desta forma, o ritmo, parece ser lento, mas não é. Quando os olhares se encontram e os projetos começam a acontecer, uma produção rica em diversas áreas começam fluir e tudo parece ser espontâneo, mas não é. Cada ação é o resultado de discussões, reflexões e uma longa espera até o ponto zênite de cada realização.

Criado em 1991, o espetáculo "Por Detrás do Silêncio" está em cartaz até hoje. Foto: Ricardo Schmith


O Circuito Tribal de Artes, em primeira mão, tem o objetivo de socorrer, financeiramente, a associação, mas é um evento que, sem dúvida, veio pra ficar e, não há dúvida, que mais uma vez, a associação vai se reinventar, sempre colocando, no foco, o artista, sua criação e presença, no cenário artístico da região.

SEVIRÇO
😃 Circuito TribAL de Artes apresenta:
“Por detrás do Silêncio” - Espetáculo de Mímica com Jiddu Saldanha
Dia 12 de agosto (sábado) às 20h 
Local: USIN4 – Rua Geraldo de Abreu, No 4 – Jd. Excelsior – Cabo Frio/RJ
Entrada: R$ 10 (meia/antecipado) e R$ 20 (inteira)
Indicação 10 Anos
Infos: 22 97401-8090
(Apenas 50 ingressos, garanta o seu!!!)

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

A Mímica Invade Rio das Ostras!

Apesar de intensa militância no fazer mímico da Região dos Lagos, meus espetáculos aqui, são raros. Mas quando acontece, é inesquecível, para mim e para o público que me prestigia.

Experimentar viver e criar, dentro de um contexto onde a arte da mimica pode ser transmitida para as novas gerações a
partir dos artistas das novas gerações.

Nathally Amariá e Jean Monteiro
Viagem ao Mundo da Mímica.
Lembro que, quando cheguei em Cabo Frio, em 2004, dei uma oficina de mimica e fiz uma abertura no festival estudantil, o FESTUD, depois disso, dei outras oficinas, até que, em 2010, fiz um espetáculo inteiro, em comemoração do aniversário do Teatro Municipal, Inah de Azevendo Mureb. No Fest Solos I, em 2014, abri com meu espetáculo "Por Detrás do Silêncio", e fui convidado, também, para o FESTUD em 2015, onde me apresentei com a Estúpida Trupe, uma bela lembrança da minha carreira, onde pude contracenar com a nova geração de artistas de Cabo Frio, destacando os artistas Daniel Arm e Nathally Amariá.
Agora, em 2017, recebo um convite para me apresentar num belíssimo teatro. O Teatro Popular de Rio das Ostras, tem uma história rica e exemplar, para a Região dos lagos, no Rio de Janeiro. Ha muito que Rio das Ostras virou rota do fazer artístico local e internacional, e seu teatro, além de belíssimo, por fora e por dentro, já é sinônimo de lugar onde o público comparece e arte frutifica. 

Estou indo para lá, com o coração cheio de alegria e muita energia, para mostrar meu repertório de mímica clássica e contemporânea, ao lado de dois artistas das novas gerações: Jean Monteiro e Nathally Amariá. São jovens que identificaram no fazer artístico, a veia profissional, e que, sem dúvida, despertaram para a arte da palhaçaria, da mímica e do teatro, um grande talento. Nada como desfrutar dessa nova descoberta, fazendo meu espetáculo "Viagem ao Mundo da Mímica" e seguir proporcionando aos novos artistas, a oportunidade de conhecer um OFÍCIO cheio de possibilidades, abraçar o palco e conhecer grandes teatros.


Um teatro é um teatro. Por fora e por dentro, o Teatro de Rio das ostras é rota do melhor que acontece nas artes cências
brasileiras. E agora, estará recebendo espetáculos de mímica.
Com uma história recente, mas muito rica, o Teatro Popular de Rio das Ostras, é um templo da cultura. É um prazer levar, além dos trabalhos da Estúpida Trupe e o TCC - Teatro Cabofriense de Comédia, um pouco da experiência angariada ao longo de 3 décadas de vida dedicada ao teatro, com altos e baixos, mas com o coração cheio de esperança no futuro e nas novas gerações.


A Arte da Mímica, cada vez mais forte, no Interior do Estado do Rio de Janeiro, do local, para o Universal.
SEJA NOSSO CONVIDADO!

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Karol Schittini no Teatro Serrador - RJ - Cinelândia - Dia 03 de Agosto às 19:30

O Teatro Serrador é um templo da cultura carioca e virou espaço para artistas empreendedores e de iniciativas próprias. Nasceu com a vocação de resistir e por isso, combina com o perfil de uma das mais ativas artistas brasileiras, do momento; Karol Schtittini!

Conceição - Interpretada por Karol Schtitini, direção: Jiddu Saldanha - desde 2013 em Cartaz. 8 prêmios e diversos
países, além de circular por cidades brasileiras. 
Desde 2013, em cartaz, o espetáculo Residência no Redomoinho vem viajando por diversas cidades brasileiras, além de já ter visitado países como Argentina, Portugal, Venezuela, Colômbia, Espanha, entre outros. Um mergulho na essência da obra de Guimarães Rosa e que traz um forte confronto da solidão de uma mulher que abre caminhos, num mundo machista, para levar seu desespero em forma de histórias que constrói um outro imaginário civilizatório. Conceição, antes de ser um retrato colhido na obra de mestre Guima, é, acima de tudo, a víscera desta atriz combativa e que vem abrindo, com a força de seu coração e a anergia de sua arte, um espaço cada vez maior, na arte brasileira. 

Karol foi escolhida pela curadoria de Julio Adrião, para fazer parte deste grande momento do teatro Carioca, uma mostra
com o melhor do teatro Solo Brasileiro, em Solo Brasileiro.
Escolhida pela curadoria de Julio Adrião, para estar junto dos grandes nomes do teatro, da nova geração, Karol vem alçando seu vôo com muito trabalho e dedicação. Com isso, ela junta o melhor de seu momento artístico, para mostrar à platéia Carioca, sua fúria visceral e criativa. O Solo da atris Karol Schittini, que tive a honra de dirigir, estará no Teatro Municipal Serrador, um dos maiores templos da cultura Carioca, na Cinelândia, RJ - Dia 03 de Agosto as 19:30. Um grande momento, um belo teatro, para contemplarmos o esforço de um atriz que está cada vez mais, conquistando seu espaço e o respeito. 
O Espetáculo Solo "Residência no Redemoinho", completará 05 anos, em 2018, e já ganhou 8 prêmios; além de viajar para diversos países da América do Sul e Europa... Vale a pena conferir o trabalho desta atriz Magistral!

SERVIÇO:
Teatro Serrador - RJ / Cinelândia.
Data: 03 de Agosto (Quinta-feira)  - 2017
Hora - 19:30
INGRESSOS - R$ 40,00 - Inteira / R$ 20,00 - MEIA.

quarta-feira, 29 de março de 2017

Ivan Alves na escola Luis Louis - Mímica Total.

Recebo feliz, a notícia de que o ator Ivan Alves, foi estudar em São Paulo, no curso do meu querido amigo Luis Louis, sem dúvida, um dos grandes nomes da mímica no Brasil, da atualidade. Tive o prazer de ver o trabalho de luis Louis, em 1996, e São Paulo, num festival produzido pelo SESC-SP, foi uma linda experiência ver um mímico perfeito, no palco, com uma forte pegada técnica, o que muito me impressionou. Em 2012 e 2013, nos reencontramos no Festival de Brasilia e foi muito bom, ver o grande artista, amadurecido não só na arte como também no caráter. Além de um excelente profissional, Louis Louis é uma das pessoas mais incríveis, que tive o prazer de conhecer.
Hoje à noite, abro meu facebook e vejo que, um dos artistas que mais admiro, na região dos lagos, o querido Ivan Alves, acaba de fazer o curso de mímica total. Sem dúvida, um precioso encontro entre duas pessoas, Luis e Ivan, de gerações diferentes, mas de almas irmãs, no sentido do caráter e da integridade profissional. Que a arte siga trazendo frutos para a mímica e que os mímicos sintam a energia forte de mais um aprendiz que bebeu da água do grande rio. Viva a arte da mímica.
(Jiddu Saldanha - Blogueiro).

Perceba a maravilha e a energia bonita numa das mais belas experiências mímicas
do Brasil



domingo, 18 de setembro de 2016

Mímica na ESLIPA

Desde minhas primeiras aulas, como professor de mímica para palhaços, na ESLIPA, algo me chamou a atenção. Sua metodologia. Com uma pedagogia libertária, fundada no conhecimento dos mestres palhaços, a ESLIPA flerta com o conhecimento em diversas nuances. De um lado, valoriza o conteúdo teórico e a percepção histórica do fazer "palhascesco", dentro de um universo onde o aprendizado é oferecido, juntamente com o conhecimento, por outro lado, uma escola focada no empirismo, onde o aperfeiçoamento da técnica, perpassa pelo contato permanente com o eu palhaço através da reflexão e prática desta arte.

Uma bela turma em 2012. Quatro anos depois, a ESLIPA segue crescendo
e proporcionando o que há de melhor, num aprendizado para palhaços.
Em 2012, circulando pelos espaços culturais do Rio de Janeiro, a ESLIPA ainda flutuava aqui e ali para realizar suas aulas. Lembro que fui dar aula na lona Crescer e Viver, e lá, reencontrei meu amigo, Vinícius Daumas. Também tive a oportunidade de encontrar a pesquisadora Alice Viveiros de Castro. Um manancial de conhecimento e generosidade, tendo como foco principal, os alunos. Gente focada e que hoje faz bonito no mundo da arte, Patrícia Ubeda, Lili Castro, Dio Jaime Vianna e tantos outros que potencializaram sua relação com a arte da palhaçaria. 
A ESLIPA é uma escola com modelo e pedagogia, únicos, longe de formalismos e caretices, a escola vai direto ao ponto, leva o profissional que trabalha no ofício, aqueles, obviamente, que percorrem uma filosofia na vida artística de seu criar cotidiano, assim, o contato com profissionais como Pepe Nuñez, Biribinha e Lili, entre outros, transforma uma linguagem que transgride as formas tradicionais para respeitar a tradição, um paradoxo, típico do mundo contemporâneo, não se pode falar em palhaçaria se conhecer os verdadeiros palhaços.
Em 2015 e 2016, a Tive a honra de voltar a dar aula na ESLIPA a convite do meu mestre e guru Richard Riguetti, encontrei um ambiente velho e novo. Velho porque a valorização à tradição, não ser perdeu, o que dá à ESLIPA um vigor único; novo porque tudo está nascendo e renascendo ali. Desde o figurinista e o estudo de ambientação para uma reprise, até a reflexão e abordagem sociológica, importante, para se discutir, acima de tudo, a ética por trás da vida de um artista que vai devotar seu destino aos picadeiros.

Estudar mímica com palhaços e cima de um picadeiro, é um sonho vivido.
Aula em 2016, na Escola Nacional de Circo, para alunos da ESLIPA.
Em 2016, participei de uma roda, das mais bonitas, foram dois dias de aula e um mergulho na essência e na criação, mas, o mais bonito foi ver nascer e se resolver, um conflito dentro da escola, uma discussão profunda sobre relacionamento humano, um debate e uma mediação que levou todos os alunos a emitirem seus pensares sobre ética e visão de mundo. No final, um abraço coletivo, muitos abraços e muitos reencontros de emoções, em seguida, uma aula de mímica para palhaços.
Desde que comecei a fazer mímica, em 1989, fui tocado pela energia do meu mestre Everton Ferre, tenho sido fiel à sua visão de ética e procurado fazer da pantomima, não apenas um ganha pão, mas uma forma de ver e perceber o mundo, através das oportunidades que recebo, vivo e vejo na rotina constante do meu fazer diário. Não é fácil ser mímico, nada é fácil. Lidar com a invisibilidade é bem mais complicado do que enfrentar o silêncio, já que este, para nós, os mímicos, é uma forma de eloquência também. Levar para uma sociedade um olhar e tirar dela outros olhares para vida, este tem sido o grande desafio e é por isso que eu simplesmente gosto de estar entre os jovens e a equipe da ESLIPA, uma escola do coração.

Jiddu Saldanha - Mímico e Blogueiro