UM ARTISTA PRECISA ESTAR SEMPRE PRONTO PARA RENOVAR SUA LINGUAGEM

Atualmente Jiddu Saldanha oferece oficinas de: Artes da Mímica e Teatro Físico, Contação de História, Direção Teatral, trabalhos com Cinema Digital além de shows, performances e espetáculos. CONSULTE-NOS www.jiddusaldanha.com.br

OBRIGADO POR ME PRESTIGIAR!

terça-feira, 28 de junho de 2011

Teatro Físico - A mímica contemporânea

Durante algum tempo vou explorar de forma intuitiva e livre as questões que envolvem a mímica contemporânea que, atualmente é chamada, também, de teatro físico. Para afirmar bem o que quero dizer aqui, vou começar relatando a experiência incrível que vivi estudando com o um jovem casal, recém chegado de Londres: Matheus Lima e Helena Marques.
Vindos da LISPA (London International School of Performing Arts - Escola Internacional de Artes Performáticas de Londres) local onde treinaram e desenvolveram diversos jogos teatrais, por um programa do governo federal Brasileiro, os artistas Matheus Lima e Helena Marques trouxeram parte do conhecimento adquirido lá, para o Brasil, como contrapartida do projeto a que fizeram parte. Sendo assim, aportaram em Cabo Frio com uma oficina onde repassaram alguns jogos teatrais e conceitos aprendidos na LISPA.

No espaço do grupo teatral Creche na Cochia, em Cabo Frio, Matheus
Lima e Helena Marques reuniram artistas locais para a troca de  conhecimentos.
Foi uma vivência rica, divertida e criativa com uma gama de jogos diferenciados de teatro, muitos, releitura de exercícios claramente influenciados pela escola de Jacques Lecoq mas todos muito bem articulados dentro de um discurso que abarca o olhar contemporâneo do ator atual. Para mim foi uma vivência de grande aprendizado e profunda reflexão sobre a arte de atuar, a jornada de exercícios, que durou ao todo algo em torno de 15 horas, valeu a pena e deu um impulso na arte de ator local.
Os exercícios teatrais-corporais, propostos pelos jovens professores libertavam o corpo e a voz dentro de uma lógica que explorava a individualidade criativa de cada ator-estudante presente. Sem se ater a qualidades específicas ou a vôos mais elaborados da arte de atuar, o tempo todo, éramos compelidos a criar nossa própria forma de corporeificar o momento cênico. Com isto, chegou-se a resultados bem diferenciados e o conhecimento se espalhou de forma simples e eficaz entre os jovens presentes.
Para quem quiser conhecer melhor o projeto Autonomia Artística é só clicar AQUI.